Acerca de mim

A minha foto
A SETA - Sociedade Portuguesa para o Desenvolvimento da Educação e do Turismo Ambientais é uma Organização Não Governamental de Ambiente (ONGA) com o estatuto de Associação fundada em 24 de Fevereiro de 2005, inscrita no IA. Vai servir este blog para partilharmos os nossos "Feitos" enquanto "Setistas" umas vezes "se/atisfeitos", outras nem tanto...

17 dezembro, 2006

Editorial Arméria 4

Vivem-se momentos difíceis !

Aparentemente a crise chegou agora a Portugal.

O primeiro erro passa por aí: Portugal nunca foi rico de recursos e a política de desperdício a que assistimos não é consentânea com as nossas potencialidades.

Não somos um país rico mas, pobres mesmo, são os que desperdiçam a pouca riqueza que podem ter...

Infelizmente aquilo a que temos assistido é a uma política cega de redução da despesa, menosprezando as áreas-chave nas quais nunca deveríamos deixar de investir.

O que se tem feito pelo ganho de produtividade no nosso território ?

Que política existe para o sector primário ?

E o que dizer do Planeamento e do Ordenamento da nossa paisagem ?

É aceitável que se bloqueiem os apoios às Organizações Não Governamentais de Ambiente contrariando o que está explicitamente definido na Lei das ONGAs ? Será que em situações extremas o nosso país contará com o apoio das ONGs que, entretanto, tem vindo a inviabilizar ?

É aceitável que se reduza a despesa na saúde, quando a qualidade do Serviço Nacional de Saúde é a que todos percebemos?

É aceitável que se reduza a despesa na Conservação da Natureza, quando se constata o tal abandono das Áreas Protegidas, e se apregoa um Plano Estratégico Nacional do Turismo que refere como prioritário o Turismo de Natureza ?

É aceitável que se diminuam os investimentos na Educação ?

O que se tem feito realmente pela operacionalização, motivação e melhoria da produtividade dos recursos humanos afectos à administração pública ?

Que condições estão a ser criadas nas escolas para que os professores que agora aí ficam mais horas, delas possam efectivamente tirar partido na melhoria das suas práticas pedagógicas ?

Que mudanças de atitude podemos pensar implementar com tantas campanhas nos media a apelar ao consumismo, à inveja, ao açambarcamento, ao desperdício ?

Há algum tempo ouvi alguém afirmar que Portugal não tem maus trabalhadores e a prova é também o seu reconhecimento internacional. Mas tem, efectivamente, maus dirigentes. É necessário que se compreenda que a gestão não é uma área exclusiva da economia, pois o mais importante recurso a gerir são as pessoas. Será que alguém tem dúvidas de que os recursos humanos são a principal potencialidade de qualquer nação ?

Apesar dos que promoveram o desperdício terem ficado até agora impunes, não gostaríamos que aqueles que implementam estas medidas também não sejam por elas responsabilizados no futuro.

A Educação, o Ambiente, a Saúde, o nosso Património esperam mais de todos nós…

Fernando Louro Alves

2 comentários:

gaivota sorridente disse...

Um dia destes vais preso...vais...vais!
Vamos lutar pelo nosso ambiente e pelo nosso país.Nós merecemos.

Brigida Rocha Brito disse...

Que 2007 seja um ano em que o ambiente (e a educação...) faz parte do nosso dia a dia (de todos...). bjs